Estilista brasileira confecciona máscara para surdos

Descrição da imagem #PraCegoVer: A estilista Silvana Louro. Ela está usando uma máscara adaptada para surdos. Silvana é uma mulher loira de cabelos cacheados compridos. Ela está usando óculos de grau e uma blusa listrada em cinza e preto. Silvana sorri. Fim da descrição.
A estilista Silvana Louro (Foto: Divulgação)

Nesta semana, foi aprovado o projeto de lei que torna obrigatório o uso de máscaras em todo o país. Apesar de o projeto flexibilizar o uso por parte de pessoas com deficiência, sabemos que é muito importante garantir a segurança de todos em relação à contaminação do novo coronavírus.  

Pensando em atender as necessidades da comunidade surda, a estilista Silvana Louro, que é especializada em moda inclusiva, começou a produzir máscaras adaptadas para surdos, no mês de abril.

“Assim que vimos a matéria com a Ashley Lawrence, começamos a produzir as máscaras adaptadas. Ficamos muito honradas em poder produzir algo significativo para a comunidade surda”, explica Silvana, idealizadora da empresa Equal Moda Inclusiva.

Conheça a história da estudante norte-americana Ashley Lawrence

A marca, que é reconhecida por confeccionar roupas adaptadas para pessoas com deficiência visual, cadeirantes, amputados e pessoas com paralisia cerebral, ainda não produzia nada específico para pessoas surdas.

“Nosso diferencial está na confecção das roupas em duas versões: com e sem adaptação. Desta forma, atendemos pessoas com e sem deficiência”, conta a estilista, que além da adaptação nas peças, também utiliza etiquetas em braille, em criações que proporcionam autonomia, conforto e estilo, contribuindo com a autoestima e a qualidade de vida das pessoas com deficiência. 

O sucesso das máscaras adaptadas

Descrição da imagem #PraCegoVer: Uma mulher está usando a máscara adaptada, que tem uma abertura transparente na parte da boca. Fim da descrição.
Clientes aprovaram a máscara adaptada para surdos (Foto: Divulgação)

Cliente da grife, o modelo surdo Tomaz Beche, ficou tão feliz ao receber sua máscara adaptada, que até gravou um vídeo para a marca. “É muito importante divulgar sobre as novas máscaras que tem esse recurso visual extremamente importante para a comunicação pois se consegue ver e ter ter uma percepção diferenciada das emoções que o sorriso demonstra. Isso ajuda muito para a acessibilidade se tornar mais efetiva aos surdos. Eu gostei demais”, disse Tomaz.

Com sede em Niterói (RJ), a Equal tem recebido pedidos de todo o Brasil e, segundo Silvana, todos os pedidos estão sendo atendidos e os envios são feitos via Sedex.

Assista ao vídeo de Tomaz Beche

Confira a entrevista com Silvana Louro

Qual sua experiência profissional como estilista?
Silvana Louro: Sou formada em estilismo, mas trabalhava com pessoas. Antes deste projeto, eu trabalhei para importantes agências formando modelos para o mercado internacional. Produzi inúmeros desfiles e catálogos de moda nos anos 1980 e 1990. 

Como e quando surgiu a Equal Moda Inclusiva?
Silvana Louro: Exaurida das áreas de moda e beleza, decidi buscar novos desafios de voluntariado, viajei pela África, resgatando bebês leões nas savanas, e pela Ásia, passando pela Índia, Butão e Nepal. Na volta, busquei uma especialização em Gerenciamento de Projetos, e fui trabalhar em um projeto com paratletas, em 2011. Nesta época, percebi as dificuldades que eles tinham para se vestir. Após quase três anos de pesquisas e trabalho de campo, com o acompanhamento de fisioterapeutas e o aval de associações, nasceu a Equal Moda Inclusiva, em 2013. A moda foi ressignificada e volta definitivamente a fazer parte da vida de todos.

Como está sendo a recepção do seu público e da comunidade surda para as máscaras adaptadas?  
Silvana Louro: Consciente da nossa missão com o coletivo, busquei empresas que poderiam financiar a produção de máscaras para doação. As respostas foram surpreendentes, tipo: mas para que isso? As pessoas não têm consciência de que existem 10 milhões de pessoas surdas no Brasil. Se atender essas pessoas não faz sentido, não sei o que faz então. Decidimos produzir, por conta própria e pagando as costureiras, um lote de máscaras adaptadas para doação a um instituto de surdos do Rio de Janeiro, porque acreditamos que TODOS precisam atuar no coletivo carente.

Uso obrigatório de máscaras

Descrição da imagem #PraCegoVer: A máscara adaptada para surdos. Ela tem uma abertura transparente na parte da boca. Fim da descrição.

Nesta semana, foi aprovado o projeto que torna obrigatório o uso de máscaras em todo o país. A emenda, da deputada federal Rejane Dias, ao texto original flexibilizou, porém, a obrigação para pessoas com deficiência

O texto original previa a obrigação para todos os cidadãos, sem considerar as dificuldades enfrentadas pelas pessoas com deficiência. Após a alteração, o texto passou a dispensar a obrigatoriedade, também, para pessoas com autismo, com deficiência intelectual e sensorial, e também a quaisquer outra deficiência que impeça a pessoa de fazer o uso adequado da máscara, além das crianças com menos de três anos de idade.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.