5 dicas para ajudar alunos com dislexia nas aulas on-line

Descrição da imagem #pracegover: Foto de uma criança fazendo aula on-line. Fim da descrição.
Confira as dicas da especialista para ajudar alunos com dislexia (Foto: Divulgação)

Há diversos desafios e dificuldades a serem superados e, devido à pandemia do novo coronavírus, as barreiras na educação de crianças com dislexia e com dificuldades de aprendizagem são ainda maiores.

A dislexia é um transtorno específico de aprendizagem de origem neurobiológica, caracterizada por dificuldade no reconhecimento preciso e/ou fluente das palavras e pela baixa habilidade de decodificação e soletração.

“Neste período de atividades on-line, os alunos com dislexia precisam de uma atenção especial para conseguirem acompanhar os conteúdos e não se sentirem atrasados em relação aos demais colegas”, explica Julia Braga, Gerente de Produtos e Desenvolvimento do Instituto ABCD.

Uma instituição sem fins lucrativos, que trabalha desde 2009 para melhorar e desenvolver a vida de pessoas com dislexia, e outros transtornos de aprendizagem, o Instituto ABCD disponibiliza, em seu site, materiais e cursos sobre o assunto, e até um teste rápido de dislexia que pode contribuir para identificar o transtorno.

Confira algumas dicas da especialista para ajudar alunos com dislexia durante o ensino remoto:

1. Dê preferência às aulas síncronas: alunos com dislexia precisam de instrução direta e feedback em tempo real, aspectos que não estão presentes em aulas gravadas;

2. Encontre novos caminhos para ajudar os alunos com dificuldades: durante as aulas on-line, alunos com dislexia podem se sentir desconfortáveis expressando suas dificuldades diante de toda a classe. Combine previamente de que maneira e em qual momento o aluno pode sinalizar a sua dificuldade sem se sentir exposto;

3. Repense como e o que ensinar: as estratégias que eram utilizadas na sala de aula tradicional nem sempre funcionarão no ensino remoto. Ao fazer a adaptação das atividades para o ensino on-line é fundamental considerar as necessidades específicas dos alunos com dificuldades;

4. Tire proveito dos recursos remotos: professores e especialistas podem se beneficiar de ambientes virtuais para atender com maior frequência alunos com dificuldades;

5. Inclua tecnologias assistivas nas aulas: aproveite o fato de que muitos recursos tecnológicos já estão sendo utilizados no ensino remoto e inclua tecnologias assistivas para facilitar a participação dos alunos com dislexia, como um leitor automático ou um conversor de voz em texto, por exemplo.

Publicidade
Portal Acesse

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.