Conheça a síndrome que provoca problemas auditivos e visuais

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na horizontal. A jovem Rafaela Ungaretti, criadora do portal Wolfram Inside. Ela é uma moça morena, com pele clara, tem cabelos castanhos, compridos e lisos. Rafaela usa um vestido branco rendado e está sentada no chão. A imagem recebeu uma montagem com o logo WolframInside e uma onda na cor verde corta a imagem de lado a lado. Fim da descrição.
Rafaela Ungaretti criou o portal Wolfram Inside para compartilhar seus conhecimentos sobre a síndrome (Foto: Reprodução)

Uma doença genética rara de caráter neurodegenerativo, que afeta aproximadamente 1 em cada 500 mil indivíduos, a síndrome de Wolfram (SW) é causada por mutações no gene WFS1 ou WFS2, e como a herança genética é recessiva, os indivíduos afetados herdam duas cópias mutadas (uma da mãe e outra do pai).

O diagnóstico da doença é extremamente difícil, pois os sintomas aparecem gradativamente. Em geral, o primeiro problema a se manifestar, ainda na primeira década de vida, é a diabetes mellitus tipo 1. A síndrome também desenvolve uma atrofia no nervo óptico ocasionando perda visual e problemas de audição (perda neurossensorial), além de manifestações neurológicas. Além disso, a doença também pode causar perda no sentido do olfato, problemas de equilíbrio e coordenação, espasmos musculares e convulsões, problemas no trato urinário e respiração irregular.

Apesar de ainda não existir medicação específica para a cura da SW, alguns tratamentos podem melhorar os sintomas da diabetes, dos problemas renais e neurológicos, incluindo as alterações visuais.

Desde 2011, quando recebeu o diagnóstico da SW, Rafaela Ungaretti, 18 anos, se tornou uma ativista em busca de recursos para pesquisas pela cura desta síndrome rara, e criou o portal Wolfram Inside, onde compartilha seus conhecimentos e experiências sobre a doença.

“Quando o professor me colocou na última fileira da sala de aula comecei a notar minha dificuldade visual, já que não conseguia enxergar o quadro negro lá de trás”, lembra Rafaela.

Sabendo que uma das manifestações da síndrome é a perda de visão, ela resolveu procurar ajuda. “Foi pesquisando na internet que meus pais encontraram um neuroftalmologista, em Los Angeles, que havia realizado um estudo para estabilizar a perda de visão em pacientes com atrofia no nervo óptico”, conta ela, que buscou adaptações para conseguir continuar os estudos.

“Aos poucos, fui me adaptando, baixei os livros para o meu tablet, tirava fotos das matérias no quadro para passar para o computador em casa, e minhas provas eram feitas com letras maiores. A perda de visão me ensinou a prestar mais atenção a tudo o que vejo e a achar tudo mais bonito e alegre, pois, apesar de eu enxergar borrões nas folhas das árvores, eu consigo transformá-los em lindas folhas verdes”, conclui Rafaela.

 

Snow Foundation

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na horizontal. Stephanie, criadora da Snow Foundation, posa ao lado de sua filha Raquel. Mãe e filha são loiras, com cabelos lisos e compridos. A menina usa óculos e um laço lilás no cabelo. Fim da descrição.
Stephanie, criadora da Snow Foundation, e sua filha Raquel (Foto: Reprodução)

Criada por Stephanie Snow Gebel, mãe de Raquel, 10 anos, diagnosticada com a síndrome, a Snow Foundation é a maior organização do mundo de apoio às pesquisas médicas para a doença, e atua angariando recursos para pesquisas médicas.

Com informações do site Wolfram Inside

 

 

Publicidade
Portal Acesse

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.