Nossa Casa promove congresso on-line de paralisia cerebral

Descrição da imagem: Foto do menino João Gabriel, que tem paralisia cerebral. Ele usa órteses e um andador e está brincando com uma bola. Fim da descrição.
O pequeno João Gabriel, que tem paralisia cerevral, brincando (Foto: Divulgação)

Segundo dados do movimento internacional World Cerebral Palsy Day, existem cerca de 17 milhões de pessoas com paralisia cerebral no mundo. Apesar de o Brasil ser ainda incipiente em pesquisas sobre esse cenário, estima-se que 7 a cada mil crianças nascidas vivas tenham paralisia cerebral.

A Nossa Casa, primeira plataforma brasileira destinada a traduzir o conhecimento científico sobre a paralisia cerebral, reúne pela primeira vez, no universo virtual, mais de 70 palestrantes, incluindo especialistas, pessoas com paralisia cerebral e familiares, no 1º Congresso On-line de Paralisia Cerebral: de todos para todos.

Congresso de paralisia cerebral

Realizado entre os dias 30 de abril e 2 de maio, o evento pretende apresentar os avanços da área, trocar experiências e informações e falar desse tema desde a descoberta do diagnóstico até a vida adulta de quem tem paralisia cerebral.

Dentre os temas do congresso, abordados por especialistas, profissionais, pesquisadores e familiares, estão o diagnóstico humanizado, tanto na perspectiva das famílias quanto dos profissionais, a importância do brincar, mobilidade, atividades da vida diária, inclusão escolar, lazer, amizades, adolescência, sexualidade e preparação para o mundo do trabalho.

“Estamos reunindo um time de pessoas que vivem, convivem, estudam e criam estratégias para favorecer a participação da pessoa com paralisia cerebral. Muitas vezes, as famílias aprendem sozinhas a lidar com determinadas situações e acreditamos que essa união e troca de conhecimento de todos e para todos seja essencial para ampliar, desmistificar o assunto e fortalecer a comunidade”, destaca o jornalista Rafael Bonfim, que tem paralisia cerebral e é cofundador do Instituto Nossa Casa.

Para a fisioterapeuta Marina Junqueira, também cofundadora da Nossa Casa, os profissionais precisam, a cada dia, ouvir as reais demandas das famílias e entender os seus diferentes pontos de vista e individualidades, indo ao encontro de um atendimento mais humanizado.

Segundo Beatriz Vieira, integrante do time fundador da Nossa Casa, o congresso tem como eixo central o olhar integral à vida da pessoa com paralisia cerebral, do nascimento e diagnóstico, até a fase adulta e foi estruturado por uma comissão de pessoas incluindo familiares, pesquisadores, profissionais e pessoas com paralisia cerebral.

Diagnóstico mais humanizado

Quando e de qual forma são feitos os diagnósticos dos bebês com paralisia cerebral? Os profissionais estão sendo preparados para o acolhimento das famílias? Quais feridas podem evitar ou minimizar? 

A troca de informações dos mais diferentes especialistas servirá de suporte para a criação de estratégias que estimulem a superação de adversidades, consolidem a formação de uma rede de apoio para a família e resultem em uma dinâmica de vida social saudável e interativa. O Congresso reunirá familiares e profissionais altamente capacitados para abordar essas questões.

Já ouviu falar em F-words?

Descrição da imagem: Foto do professor Peter Rosenbaum, um dos palestrantes do evento. Peter é um homem branco, com cabelos castanhos, curtos. Fim da descrição.
Peter Rosenbaum, palestrante do congresso de paralisia cerebral (Foto: Divulgação)

Função, família, saúde, amigos, diversão e futuro. Esse conjunto de vocábulos integra ‘F-words – Minhas Palavras Favoritas’. São palavras que representam as seis áreas chaves do desenvolvimento infantil e devem ser sempre lembradas e respeitadas por profissionais que trabalham com crianças com paralisia cerebral.

Segundo Peter Rosenbaum e Jan Willem Gorter, criadores das palavras favoritas, “o essencial é reconhecer que um fator não é mais importante que outro, e com esse olhar esperamos incentivar profissionais da área a adotarem essa forma de pensar e a aplicarem esses conceitos ao trabalharem com crianças com deficiências e suas famílias”.

Mobilidade motorizada

Mobilidade social é um dos temas que prometem render farta troca de informações durante o congresso. O programa Go Baby Go traz uma maneira acessível para o ir e vir livre e independente do público infantil com deficiência, propondo a adaptação de carrinhos motorizados – desses encontrados em lojas de brinquedos.

Não há dúvida que a mobilidade contribui para a convivência social, resultando na melhora do cognitivo, na percepção e na parte social e motora. A Nossa Casa já realizou diversas ações para quebrar paradigmas e favorecer a mobilidade motorizada precocemente para as crianças brasileiras que possam se beneficiar.  Para discutir esse tema o congresso contará com especialistas como Ginny Paleg, Beatriz Vieira e Marina Junqueira.

Encontro reúne olhares de diferentes pontos de vista

Dentre os palestrantes está Peter Rosembaum, professor de Pediatria da McMaster University, fundador do grupo CanChild (Canadá), reconhecido mundialmente pela sua contribuição na disseminação de conhecimento na área de deficiências na infância, e autor de cerca de 350 artigos científicos sobre o tema.

O evento reunirá ainda famílias e pessoas com paralisia cerebral, como  Rafael Bonfim, jornalista e um dos co-fundadores da Nossa Casa. Ele tem paralisia cerebral e quer ser visto pelos seus pontos fortes, suas vontades, habilidades e não por sua deficiência. Larissa Mariano, também com paralisia cerebral, vai destacar a moda inclusiva.

O que é a paralisia cerebral?

A paralisia cerebral (PC) acomete o cérebro imaturo ou em desenvolvimento (do feto, do recém-nascido ou na primeira infância). Dentre as possíveis ‘sequelas’ da PC destacam-se alterações do movimento, postura, equilíbrio, coordenação e tônus muscular. 

Geralmente, as desordens motoras são acompanhadas por alterações na cognição, comunicação, comportamento, epilepsia e problemas musculares e ósseos.

O 1º Congresso de Paralisia Cerebral on-line acontece no dia 30 de abril, das 19h às 22h; e nos dias 1º e 2 de maio, das 9h às 17h. A inscrição custa 157 reais e pode ser feita no site Nossa Casa. Haverá a distribuição de mil ingressos para pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica, que queiram participar do evento.

Portal Acesse

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.