Uma casa segura para meus avós: será que é caro?

Descrição da imagem #pratodosverem: Uma porta branca com maçaneta no formato alavanca. Fim da descrição.
Maçaneta no formato alavanca facilita a abertura das portas (Jonathan Petersson/Pexels)

Lembro-me das minhas avós gregas. Mulheres fortes e independentes. Morreram por volta dos seus 80 anos. Passaram por duas guerras, enviuvaram nesta época horrenda (como pode o ser humano ser tão cruel? Tirar a vida de uma outra pessoa? Não conheci meus avôs), e viveram firmes e fortes. 

Minha avó materna trabalhou num asilo até os 78 anos quando se aposentou, afirmando que jamais ficaria rabugenta e dependente como eles. ‘Eles’ eram os idosos para quem ela trabalhava como cuidadora.

Casa segura

Tive a oportunidade de visitá-las em suas casas. Pequenininhas para os padrões brasileiros. Quitinetes. Uma boa parte da população grega mora em pequenas residências. Por volta de 40m². 

As duas avós moravam em bairros populares cheios de lojinhas locais, escolas, igrejas, pracinhas e perto de tudo por causa do transporte público. Seus apartamentos tinham o básico: quarto, sala, cozinha, banheiro e um balcão onde penduravam as roupas para secar. Todos fazem o mesmo. Roupas nas janelas e nas sacadinhas. 

Uma vez, no inverno, uma delas esqueceu a roupa que congelou e, ao cair, quebrou. Lavanderia? Que nada: lavavam tudo na banheira e, já beirando os 80, tanto uma como a outra renderam-se à máquina de lavar roupas. Com descrédito quanto à qualidade da lavagem, vale ressaltar. 

Surpreendi minha avó paterna Helena (em tempo: as duas chamavam-se Helena rs) lavando as roupas lavadas pela lavadora, mais de uma vez. Sem graça, ela dizia que era bom confiar na modernidade, mas  desconfiando.

Para mim, tudo bem. Concordo plenamente. Quanto ao tamanho do apartamento, diziam elas: grande para quê? para eu ter que passar o resto do meu dia limpando? Não entendo vocês lá no Brasil. E continuava descrevendo o seu dia a dia.

“Vou à Igreja todo domingo, encontro minhas amigas para tomar café na praça, compro na vendinha aqui perto o que preciso para cozinhar no dia e vou na cidade quando preciso de alguma coisa que não tem por aqui.”

Entenda-se cidade, o centro da capital de Atenas. Saía a pé de casa, tomava o ‘tram’ e chegava onde queria. Pensei: bom ser independente. 

Hoje para escrever, lembrei do lugar onde elas moravam. Me deu uma baita saudade. Sabe aquela sensação de ‘buraquinho no coração’? É o que sinto agora.

Mas, o exercício de recordar, me faz feliz porque penso que talvez esse post possa ser útil para quem tem avós ou parentes que estão envelhecendo e que precisam realizar algumas mudanças a custo zero em seu lar para que possam manter a sua qualidade de vida, seu bem-estar e sua segurança física. 

Envelhecer na casa onde a gente mora deveria ser respeitado. E, como tal, depende das coisas que estão à nossa volta e da forma como estão organizadas. É o famoso layout

Como organizar os espaços sem gastar muito?

Primeira coisa: as pessoas acham que adaptações deixam a casa com cara de hospital. É fake. Outros pensam que custa caro: é fake também. Neste post vamos apresentar um ‘faça você mesmo’ com custo muito baixo.

Vamos às dicas para ter uma casa segura: 

1. Retire os tapetes da casa: tapetes soltos podem levar uma pessoa que tem passos lentos e arrastados a tropeçar e cair, transformando-se em uma armadilha para qualquer um;

Descrição da imagem #pratodosverem: Chanel, uma cadela de pelos pretos está deitada em cima de um tapete, que está com a ponta enrolada. Fim da descrição.
Chanel e o tapete são dois ‘problemas’: ela porque é bagunceira, espalha os brinquedinhos pela casa e tem mania de ficar literalmente aos pés de seus humanos. Quanto aos tapetes: apesar de pesadões, enrolam as pontas e podem causar quedas. Ela, o tapete e o piso: zero contraste. Agora então, que começou a ficar com o pelo grisalho (Foto: Arquivo pessoal)

2. Bichinhos de estimação: um pet é tudo de bom, mas são brincalhões e bagunceiros invariavelmente. Largam seus brinquedinhos pela casa, seguem você em qualquer lugar e ficam se enrolando no meio das suas pernas enquanto você anda. Para um idoso, brinquedinho e brincadeiras podem levar a um desequilíbrio e queda, pois interferem na locomoção. É uma decisão dificílima pois um pet faz companhia e deixa todo mundo feliz. Precisa ser bem avaliada. Ia me esquecendo: se o bichinho ainda não foi adotado e ainda assim é muito desejado pelo seu familiar, pense na possibilidade de a pelagem ser contrastante em relação à cor principal do piso da casa. Se o chão for claro, o bichinho pode ter pelagem escura por exemplo. Fica mais fácil distinguir;

3. Circulação: nas circulações principais dos ambientes da casa e nos corredores, retire os móveis e demais objetos de decoração. Coloque nas laterais, crie outros espaços com foco nas paredes. A consciência corporal muda, o equilíbrio e a atenção também. Caminhos livres, sempre. É fácil;

4. Maçanetas: substitua as maçanetas de ‘bola’ pelas alças das alavancas. É mais fácil para manusear tanto para mim, quanto para você e seus familiares. Nunca ouvi alguém dizer que maçaneta de ‘bola’ é legal ou confortável. Não é. Para a porta da frente e dos fundos (se houver), encontre um modelo em que a chave possa ser colocada com facilidade e esteja visível. Se possível, sobre a maçaneta e não abaixo dela;

5. Piso do box: coloque antiderrapante. Se o piso já estiver instalado, sugere-se a colocação de tintas antiderrapantes. São muito baratas e de fácil aplicação. Qualquer pessoa sem muita habilidade para pintura ou construção consegue aplicar;

Descrição da imagem #pratodosverem: Um banheiro com paredes e móveis brancos. Fim da descrição.
Área de banho exige segurança (Foto: Jon’Nathon Stebbe/Unsplash)

6. Degraus: se houver algum degrau, por menor que seja, instale tiras antiderrapantes e, dê preferência, com algum contraste para que os desníveis sejam visíveis. As tiras também são muito baratas;

7. Porta toalha de banho: verifique se está instalado ao lado da porta do box. Lá é o lugar certo. Sair do box pingando para atravessar o banheiro e pegar a toalha para secar-se é queda na certa. Colocar o porta toalhas no lugar correto é bem fácil. Furadeira, parafusos e boa vontade: basta isso;

8. No box do chuveiro: se couber, coloque uma cadeira firme, estável e a prova d’água;

9. Tapete: se realmente precisar de tapetes, escolha os de borracha e que tenham alta aderência ao piso;

10. Vaso sanitário: se eventualmente a altura do vaso sanitário comercial estiver dificultando a livre movimentação (levanta e senta), a solução mais barata é substituir o assento sanitário tradicional por um assento sanitário elevado. Existem vários no mercado e de variados preços.

Algumas das situações que citei aqui encontrei nas casas das minhas avós. Mesmo que intuitivamente, elas reorganizaram seus lares para atender as suas necessidades. Melhorar a segurança da casa não precisa ser caro. Correções fáceis podem ser implantadas com custo zero ou baixíssimo custo, mantendo a independência e melhorando em muito a qualidade de vida das pessoas que você ama.

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.