Autistas são campeões no Paratambor do Congresso Brasileiro da ABQM

Descrição da imagem: Foto das equipes e dos atletas Gustavo e Murilo, campeões. Eles estão segurando a bandeira da Hípica Santa Terezinha e os troféus conquistados no torneio. Fim da descrição.
Os atletas Murilo e Gustavo com a equipe da Hípica Santa Terezinha com Cledson Rodrigues do Paraequestre da Unidos de Vila Maria (Foto: Heloisa Alves)

Os paratletas autistas de hipismo foram destaque do 30º Congresso Nacional da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM).

Realizado entre os dias 26 de maio e 6 de junho, no Complexo Esportivo Equestre do Recinto de Exposições Clibas de Almeida Prado, em Araçatuba (SP), o evento reuniu sete paratletas que participaram das provas de Paratambor, uma adaptação dos 3 Tambores.

Nesta edição, o evento teve como destaque dois representantes da Hípica Santa Terezinha, de Carapicuíba (SP), atendidos e treinados pela equoterapeuta Eliane Cristina Baatsch e sua equipe, formada por Gabriel Martins, Cledson Rodrigues e Manoel Jesus.

“Com a evolução e o bom desempenho nas sessões, os paratletas autistas Gustavo Diniz e Murilo Carleto passaram a competir, e, em 2017, começaram a participar dos eventos da ABQM”, explica Eliane.

Campeões do torneio

Descrição da imagem: Foto das equipes e dos atletas Gustavo e Murilo, campeões. Eles estão segurando a bandeira da Hípica Santa Terezinha e os troféus conquistados no torneio. Fim da descrição.
A equipe com o atleta Gustavo Diniz (Foto: Heloisa Alves)

O paratleta Gustavo Diniz foi campeão no nível Handcap 2, e Murilo Carleto, no Handcap 4. Ambos competiram com o mesmo cavalo: Rey James ZD, de propriedade de Cledson Rodrigues do Projeto Social Unidos de Vila Maria- Paraequestre, que firmou parceria com a Hípica Santa Terezinha.

Eliane explica que Gustavo e Murilo começaram o tratamento como intervenção terapêutica, com o objetivo de melhorar o quadro diagnóstico, mas o esporte acabou fazendo diferença na vida dos dois.

“O trabalho realizado com os jovens é específico, minucioso e técnico. “É preciso muito treinamento e dedicação, pois o animal precisa compreender o paratleta em seus comandos adaptados, que são diferentes do seu treinamento tradicional”, explica Eliane.

30º Congresso da ABQM

A 30ª edição do evento bateu recorde com mais de 8,5 mil conjuntos inscritos nas provas. Neste ano, as competições não contaram com a presença de público e foram restritas aos competidores e às equipes técnicas, que seguiram os protocolos de segurança.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.