As ‘bandeiras erradas’ na T21

Descrição da imagem #pracegover: Foto do grupo de jovens do Felicidade Down durante evento. Fim da descrição.

Nesses mais de 38 anos que convivo com a T21, aprendi que a coisa mais importante para a felicidade de nossos filhos com Down é a postura dos pais.

Já escrevi e falei muito sobre a postura dos pais, sendo necessário citar que alguns pais, na tentativa de ajudarem seus filhos, cometem erros e acabam carregando ‘bandeiras erradas’, e assim se desviam do objetivo principal, que é a felicidade do seu filhos com Down.

Dentre essas bandeiras erradas cito, por exemplo, as bandeiras da ‘piedade’, da ‘mãe coitadinha’, do ‘preconceito’, da ‘não aceitação’, da ‘doença’, da ‘dificuldade financeira’, do ‘capacitismo’, do ‘conformismo’ e do ‘assistencialismo’, entre tantas outras…

Importante ressaltar que não estou discutindo esses itens em si, não estou questionando a existência deles, e que eles não afetem todos nós pais. O que eu estou querendo dizer é que não devemos buscar num desses itens o principal motivo para ajudar nossos filhos a serem felizes.

É muito importante que saibamos realmente o que temos que fazer para que nossos filhos se desenvolvam adequadamente e sejam felizes.

Independente do avanço da ciência e de técnicas que possam melhorar a vida de nossos filhos, temos que ter em mente que o momento é agora, e só depende de nós, o passado já foi e o futuro ainda não chegou.

O que a sociedade e a ciência pode fazer pelos nossos filhos Downs não está sobre nosso controle, mas o que nós pais podemos e devemos fazer é inteiramente de nossa responsabilidade. É a única coisa concreta que poderá mudar a vida de nossos filhos com Down.

Gosto de citar sobre a importância da ‘educação familiar’ no desenvolvimento das pessoas com Down, aquela onde os pais devem passar para os filhos conceitos gerais como: regras de etiqueta e comportamento, obediência e respeito aos mais velhos, conceito de certo e errado, regras de convívio social…

Devemos ensiná-los a ser independentes e interagirem sozinhos com terceiros. Dessa forma devemos sempre:

. Lutar pela aceitação e entendimento de que nosso filho é um ser humano como os demais e devemos aceitar a sua condição de T21 e principalmente a sua individualidade;
. Lutar pelo desenvolvimento psicológico adequado e sadio de nossos filhos Downs, evitando de qualquer forma a sua infantilização desnecessária;
. Lutar pelo crescimento pessoal e individual de nossos filhos com Down, educá-los corretamente, tendo certeza que eles estão aceitando e seguindo nossa educação;
. Lutar pela socialização de nossos filhos com Down, mesmo que eles não se mostrem interessados. Por exemplo, ir a uma festa, passear com os amigos, ir ao teatro ou cinema, passear na casa de parentes e amigos, etc… Lembrando que não é somente a nossa obrigação  oferecer essas oportunidades, mas também fazer com que eles tenham interesse e vontade em participar dessas atividades;
. Lutar pela alfabetização e escolaridade de nossos filhos com Down, sabendo que não basta apenas buscar a inclusão escolar e auxílios profissionais e pedagógicos, mas também fazer com que nossos filhos se interessem em ir para a escola e se esforcem para aprender;
. Lutar pela busca de uma atividade profissional para nossos filhos com Down, que não se deve limitar a procura de vagas de trabalho, mas também devemos fazer com sintam vontade e prazer em exercer uma atividade profissional.

E principalmente lutar para que consigamos buscar o que realmente é importante para eles e não o que nós imaginamos ser importante.

É muito importante saber separar o que devemos cobrar de terceiros, da sociedade e da ciência e o que é de nossa responsabilidade.

Lembrando que da ciência da sociedade e de terceiros podemos apenas cobrar e acompanhar, mas a nós cabe a responsabilidade principal que é ‘agir’.

Temos que amá-los incondicionalmente e não devemos nos preocupar em demasia com suas peculiaridades.

A questão não está na forma com que as outras pessoas enxergam nossos filhos, e nem nas suas atitudes, a questão principal é como nós pais assimilamos isso, e o quanto isso consegue nos incomodar.

Se focarmos na felicidade de nossos filhos, estaremos imunes a todo o resto. Faça uma análise das suas atitudes e verifique se você está realmente ajudando o seu filho com Down ou apenas está carregando uma das bandeiras erradas citadas acima.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.