Armários na cozinha: por quê tão altos?

Descrição da imagem #pracegover: Uma mão está tentando alcançar um armário, em cima da geladeira. Fim da descrição.
Saiba como ter uma cozinha acessível e segura (Foto: Divulgação)

Nunca passei tanto tempo dentro de casa. Imagino que muitos leitores também estejam nessa mesma situação. 

A rotina diária de uma sociedade em situação de isolamento físico e social certamente mudou, e muito, as nossas vidas. Não existe mais o conceito de ‘normal’; o que temos de agora em diante é o ‘normal pós-coronavírus’. 

A falta do abraço da mãe, dos filhos, dos netos e dos amigos é parcialmente suprida, mas não substituída, pelos encontros virtuais. Aprenderemos a conviver de outra forma por enquanto.

Mas e na casa? Houve alguma alteração?

No meu caso sim. Mudou a maneira como estou vivendo no meu lar. E essa percepção aconteceu no final de semana quando, ao trocar a geladeira, percebi a dificuldade que tive para alcançar a caixinha que estava sobre o armário. Ela foi projetada para estar lá. Não mudei o modelo, o tamanho, o tipo e nem a marca. Mas… estava horrível. Não entendi naquele momento.

A cozinha foi projetada por profissionais para ter tudo o que é necessário e ser funcional, ou seja: 

  • Uma despensa bacana com espaço para armazenar alimentos e a geladeira;
  • Área para armazenamento de eletrodomésticos e demais utensílios;
  • Pia e área de preparação com bancada de trabalho;
  • Área para cozinhar, ou seja, local para colocar fogão, forno e microondas.

Então o que mudou?

Mudou nossa rotina e com ela o uso da casa. Com a quarentena, morar e trabalhar no mesmo lugar já é a realidade de várias pessoas que, como eu, prestam serviços – sou arquiteta e professora. E a casa deverá adaptar-se aos novos usos e rotinas atuais.

Minha tão sonhada ‘cozinha superplanejada atende a todos os manuais de boas práticas de projeto. Só não previu o óbvio: ela foi concebida para atender a um conjunto de atividades de um casal mais jovem, que trabalha fora o dia todo, pede delivery de comida por aplicativos e só volta à noite. Ou seja: está disfuncional para alguém que encontra-se em home office, cozinha em casa porque é mais saudável e econômico e, por causa da pandemia, pouco sai.

Apesar de me considerar nova, o corpo começou a provar algumas limitações antes impensáveis para mim. Eu estou me sentindo ótima, mas minha cozinha envelheceu, coitada…

A foto acima mostra algo que me incomodou. Hoje entendo que ficou disfuncional. Atualmente o acesso às áreas de armazenamento é realizado de forma mais constante. Subir e descer utilizando banquinhos e escadas móveis para ter acesso aos utensílios e aos alimentos além de cansativo é algo que pode eventualmente causar um acidente. E pouco importa a idade. Não funciona mesmo: quando tem portas, colocam-se objetos e coisas que a gente esquece que tem e que muitas vezes nem valor afetivo tem mais. Só estão lá. Guardadas. Armazenadas. 

Quando as áreas de armazenamento não têm portas, as partes mais altas podem ser utilizadas para colocar objetos bonitos, coloridos que enfeitam. Lindo numa capa de revista. Na vida real de uma mulher em quarentena, eu diria que servem para acumular pós e gordura… rabugice, mau humor? Pode até ser…

Projetar a partir das atividades da casa em uso, pode ser o caminho para criação de ambientes confortáveis e funcionais. Aos profissionais da área de projeto e de vendas de cozinhas planejadas duas orientações: fale com seus clientes sobre a importância da altura das áreas de armazenamento e sua relação com a manutenção do conforto e da funcionalidade com o decorrer dos anos destacando a questão da segurança. Outro dia ouvi de um colega que o tema envelhecimento ‘não cai bem’ quando tratamos de projetos de arquitetura. Discordo: o que não cai bem é o desconforto e acidentes que possam ocorrer.

Assim, para alguém que, como eu, pretende continuar morando por muitos anos e envelhecer na mesma casa, ficam aqui algumas dicas para áreas de armazenamento dos ambientes de cozinha:

– No lugar dos armários com portas, pense em gavetões com corrediças. Se puder, coloque o sistema ‘soft-touch’ que abre e fecha com um simples toque do corpo. As corrediças possibilitam a abertura total das gavetas com deslizamento suave, preciso e resistente. São confortáveis porque facilitam o acesso e manuseio de objetos. Providenciar também os mesmos gavetões com organizadores para aqueles cantos difíceis que ocorrem em cozinhas em ‘L’ ou ‘U’. Os preços hoje são bem acessíveis e a adaptação é relativamente fácil. Se optar por portas, saiba que para retirar algo do fundo do armário, você precisará ajoelhar-se, curvar o corpo e praticamente entrar nele. Não recomendo.

– Armários sobre a pia e o balcão: lembre-se de que dependendo da altura, a escada móvel é necessária para retirar utensílios ou alimentos que você guardou. Mesmo que o uso seja eventual, é importante que tudo esteja à mão ou ainda, em altura confortável e de fácil manuseio. Para o meu caso, está prevista a retirada dos armários altos e a colocação de uma estante de apoio em altura de fácil acesso sob o balcão para colocar poucos adornos e plantinhas pendentes. Qualquer loja de materiais de construção ou de decoração tem peças prontas para suporte. Algumas delas oferecem a customização a partir das necessidades do cliente. São peças baratas, de boa qualidade e com retorno funcional garantido.

Estas orientações para a compra de armários de cozinha para fins de armazenamentos de utensílios ou para despensa podem ser testadas em lojas de venda de móveis por qualquer pessoa e não dependem de conhecimento técnico. Boa sorte fique de olho na segurança e no conforto!

Portal Acesse

1 COMMENT

  1. Pura verdade, casa é em primeiro lugar para morar gente, tem que ter segurança e ter praticidade. A decoração segue atrás destes itens

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.