Aceitação: a base para a felicidade do filho com Down

Descrição da imagem #pracegover: Foto da família de Tomás André. Nela estão Tomás com a esposa Célia e os três filhos. Entre eles, duas moças, uma delas com Down, e um rapaz. Eles estão sorrindo. Fim da descrição.
Tomás e Célia, fundadores do Felicidade Down, com seus filhos (Foto: Arquivo pessoal)

Quando nosso filho nasce e recebemos a informação que ele tem Down, nos deparamos com uma situação que não foi aquela que sonhamos ou desejamos. Nesse momento, a única saída para nosso bem-estar sentimental e emocional será a aceitação.

Que mãe ou pai não desejou que a realidade fosse outra daquela ocorrida após o nascimento do filho com Down?

Aceitar esse fato que não podemos alterar é de vital importância para que possamos seguir em frente, ajudar nosso filho e, de quebra, ainda ter a oportunidade de mudar nossa vida para melhor.

É muito importante, o mais rápido possível, refletir se é viável fazer alguma coisa para mudar essa realidade. Após um breve tempo iremos perceber que não há nada que possa ser feito. Nesse momento se você deseja seguir adiante, tem que aceitar essa realidade, ou irá sofrer mais do que necessário, e também irá prejudicar o desenvolvimento do seu filho.

Lutar contra essa realidade imutável será um desgaste de energia inútil e prejudicial.

Apenas partindo da aceitação será possível seguir em frente e colher benefícios positivos para você e seu filho.

A aceitação será a base, a estrutura e o alicerce de tudo positivo que poderá a ser realizado para o perfeito desenvolvimento e felicidade de nossos filhos com Down.

Aceitar não significa resignar-se. Temos que ter convicção que nosso filho com Down nos trará muitas alegrias, terá um bom desenvolvimento e, com certeza, será muito feliz.

Amar não é necessariamente sinônimo de aceitar, todos os pais amam incondicionalmente seus filhos. Aceitar vai muito além de amar, é uma questão prática que envolve razão, compaixão, compreensão e determinação.

Aceitar significa entendermos que nosso filho é diferente e necessitará de uma atenção especial para seu perfeito desenvolvimento.

Sabemos que todas pessoas são diferentes, cada mãe e cada pai tem sua própria essência, e são únicos. Existem as questões emocionais e sentimentais; as questões pessoais como a individualidade e a personalidade de cada um; e as questões familiares e culturais. Enfim, cada um de nós é único e a ‘aceitação’ repercute de forma diferente em cada um. Mas, é muito importante que tenhamos a consciência de que precisamos trabalhar internamente essa questão.

Alguns pais não terão nenhum problema com isso, outros terão mais dificuldades. Mas, de forma geral, o importante é resolver essa questão o mais rápido possível, pois disso dependerá o futuro de nossos filhos com Down.

Muitos pais acreditam que aceitam seus filhos, mas tentam tratá-los como se não tivessem Down e assim deixam de buscar as soluções específicas para ele.

Outros pais idealizam para seus filhos uma vida que não condiz com a realidade da T21. Projetam situações que não são coerentes para ele, e assim não vão conseguir fazê-lo feliz.

Importante ressaltar que é muito tênue a linha que separa a verdadeira aceitação de uma aceitação imaginária. Muitos pais têm plena convicção de que aceitam seus filhos Downs, mas na realidade o que se observa são atitudes que não condizem com uma verdadeira aceitação.

Para que possamos entender essa questão, seguem algumas situações que geralmente acontecem nesses casos:

. O pai ou a mãe sentem-se incomodados com a curiosidade das outras pessoas;
. Não se sentem bem em conversar assuntos relacionados à T21 com outras pessoas;
. Acreditam que as pessoas praticam o tempo todo ações de ‘preconceito’ contra seu filho com Down, e ficam muito incomodados como isso;
. Não gostam de certas formas como a condição de seu filho é chamada ou tratada. Por exemplo, o termo ‘ele é Down’, ou outro qualquer;
. Evitam sair com seu filho com Down em público, pois não se sentem bem acompanhados dele;
. Não se sentem bem na presença de outras crianças ou jovens com Down, e evitam a convivência de seus filhos com outras pessoas com Down…

Muitos pais acreditam que aceitam seus filhos, mas relutam em conhecer e conviver com a realidade da T21. Os pais devem entender que é possível conviver perfeitamente com a situação sem que isso gere um grande mal-estar.

Em geral, na realidade do dia a dia, os cuidados e a atenção com os filhos com Down não são muito diferentes dos outros filhos.

Temos que ter consciência de que, mesmo vivendo sob uma circunstância que não é a que planejamos, é possível conseguir centralizar o interesse e o foco da nossa atenção para o desenvolvimento e a felicidade do nosso filho.

A aceitação é de vital importância para que realmente busquemos todas as oportunidades para nosso filho com Down.

Aceitar é abandonar a luta contra a realidade da T21 e buscar caminhos que nos permitam viver do modo que sonhamos anteriormente e, de quebra, ainda fazer nossos filhos felizes.

Nosso filho tem um cromossomo a mais no par 21, isso nunca irá se alterar, ele nasceu com a T21 e irá morrer com a T21. Devemos aproveitar ao máximo a convivência com essa pessoa fantástica que irá nos ensinar muitas coisas e nos tornar pessoas muito melhores.

A raiva, o medo e a insegurança não devem mais fazer parte da nossa vida. Temos que aprender a ser mais leves, mais alegres, mais seguros e mais esperançosos.

Temos também que tomar muito cuidado com a resignação que geralmente pode ocorrer quando não toleramos a situação como ela é.

Pelo fato de nosso filho não ser o que sonhamos, podemos nos fechar e tender pela suspenção da busca de oportunidade para nosso filho.

Nesse caso, os sentimentos e emoções negativas surgem e nos rendemos, acreditando que não poderemos melhorar a nossa vida e, por consequência, a vida de nossos filhos.

Temos que ter cuidado para que a tendência à lamentação e à vitimização não seja involuntariamente transferida para nossos filhos. Nunca podemos perder a esperança.

Assim sendo, uma questão muito complexa ligada à falta de aceitação acontece quando alguns pais acabam transferindo isso para seus filhos. Dessa forma, é muito comum verificar que alguns jovens com a T21 não se aceitam como Downs e assim terão muitas dificuldades de socialização. Consequentemente não serão pessoas felizes.

O mais cedo possível os pais devem contar para seu filho que ele é diferente, que ele tem Down, orientando ele sobre todas questões que envolvem a T21.

Os pais devem passar isso sempre de maneira alegre, otimistas e positiva.

Devem sempre falar bem e elogiar os demais Downs para que assim seu filho passe também a gostar de si mesmo. Tentar esconder a condição da T21 do seu filho é um erro muito grande e que poderá causar um enorme prejuízo nas questões emocionais, sentimentais e consequentemente no desenvolvimento e na felicidade dele.

Desde cedo trabalhe os seus sentimentos procurando soluciona-los o mais rápido possível. Você terá que rapidamente livrar-se de tudo que é negativo e munir-se de alegria, otimismo e positivismo.

Lembre-se que para seu filho, no final das contas, o que você sente não terá nenhuma importância prática. O que importara realmente será o que você fará de positivo e concreto para a felicidade dele. O mais rápido possível deixe de lado suas incertezas e medos e foque no desenvolvimento e na felicidade do seu filho.

Leia também: O desenvolvimento adequado dos filhos Downs

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.