A T21 e o preconceito

Descrição da imagem #pracegover: Foto de Tomás André com a filha e a esposa durante evento de Carnaval. O casal está usando camisetas coloridas e a menina está usando uma fantasia. Fim da descrição.
Família deve ser incentivadora contra o preconceito na T21 (Foto: Arquivo pessoal)

Temos que tomar muito cuidado ao discutir a questão do preconceito na T21. Não devemos levar esse assunto para o radicalismo, intolerância ou fanatismo. Não estou querendo afirmar que não existe o preconceito, mas acredito que não devemos supervalorizar esses episódios e seus autores.

Não devemos fazer o preconceito ter uma grande importância, ele não terá relevância no desenvolvimento e na vida de nosso filho com Down. Meu texto não tem como objetivo falar especificamente da ação do preconceito, mas sim como ele repercute na mãe, no pai e na família.

Preconceito e T21

A sociedade, em geral, carrega estigmas e preconceitos sobre as pessoas com Down que se formou durante muitos anos com base na experiência da observação das poucas pessoas com Down que, até então se apresentavam no meio social.

Em geral, pessoas com Down não eram educadas corretamente e não eram socializadas. Via de regra, elas eram deixadas de lado pela família e pela sociedade, e por sua vez acabavam tendo hábitos socialmente inadequados, o que com o tempo motivou a formação do preconceito então existente.

Atualmente, de forma geral, a sociedade recebe muito bem as pessoas com Down. O volume de casos reais de preconceitos contra pessoas com Down pode ser considerado muito pequeno. Por isso, não devemos supervalorizar esses episódios.

Tudo que é diferente causa estranheza entre as pessoas, e muitos casos que são interpretados como preconceito na realidade devem ser considerados como curiosidade e falta de informação. Devemos combater o preconceito com informação e com a presença maciça de Downs no convívio da sociedade.

Uma maneira saudável e inteligente de combater o preconceito são as ações coletivas de famílias e entidades usando a mídia através de campanhas  com informações que ajudem as pessoas, em geral, a mudar a forma como enxergam nossos filhos.

Ações de ódio e intolerância por parte dos familiares de nada adianta. Em geral, só poderão incentivar novos casos. O ódio de nada irá ajudar nossos filhos com Down, e ainda poderá nos afastar do caminho correto para ajudá-los.

Para enfrentar o preconceito devemos ser positivos, otimistas e esperançosos. Devemos deixar o medo e a insegurança longe de nossos filhos. Em algumas situações, a falta da aceitação do filho Down por parte de algumas famílias faz elas acreditarem que as pessoas praticam o tempo todo ações de ‘preconceito’ contra seu filho com Down.

Os pais devem acreditar em seus filhos, não devemos ter pena ou dó de nossos filhos, pois somente a partir daí a sociedade poderá começar a tratá-los com respeito.

Quando sair de casa, não leve seu filho escondido atrás de você, tenha orgulho dele, deixe-o ir à frente, cumprimentando as pessoas. Ensine seu filho a cumprimentar as outras pessoas.

Para que a sociedade possa incluir as pessoas com Down é necessário uma mudança do ponto de vista de como nós enxergamos nossos filhos. A partir daí as outras pessoas também terão uma nova ótica sobre eles, e para que isso aconteça é necessário que as famílias da pessoas com Down aceitem plenamente seus filhos, tratando-os como indivíduos e fazendo-os se apresentarem de forma correta perante a sociedade.

Na realidade, o que se observa é que não existe propriamente dito um preconceito, o que existe de um lado é a falta de informação, e do outro lado a forma de interpretar o que realmente aconteceu.

Muitas atitudes, consideradas preconceito, na realidade nada mais são que falta de informação e por incrível que pareça, às vezes, por falta de informação, em alguns casos as pessoas estão apenas tentando amenizar a situação e acabam fazendo um comentário inocentemente mas preconceituoso.

Sempre aproveite ao máximo essas situações procurando, de imediato, reverter a situação explicando corretamente a questão. Evite deixar as outras pessoas iniciarem comentários piedosos e paternalistas sobre seu filho, sempre passe para essas pessoas as coisas positivas sobre a capacidade dos Downs.

Vejam o exemplo muito comum: “os Downs são muito amorosos e carinhosos”. Nesse caso, o preconceito é velado, pois a pessoa está querendo ser agradável e compensar o fato do seu filho ter Down passando a afirmar que eles são amorosos e carinhosos.

É muito importante os pais falarem que seus filhos com Down são como qualquer outra pessoa, e como qualquer outro indivíduo tem sua própria característica pessoal.

Quanto mais as pessoas com Down conseguirem um bom desenvolvimento, quanto maior o número de suas conquistas, mais naturalmente eles se integrarão na sociedade, e com certeza o preconceito deixará de existir.

Se você aceita plenamente seu filho irá perceber muito pouco as eventuais ações e preconceito, e quando você as perceber, elas não irão te incomodar, pois você sabe que o importante é a felicidade de seu filho.

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.