Os recursos terapêuticos da equoterapia

Conheça os recursos terapêuticos da equoterapia.

Descrição da imagem #PraCegoVer: Quatro tiras de madeira formam um jogo da velha no chão batido de terra. Copos de plástico com petiscos para os cavalos e pentes compõem as peças do jogo. Fim da descrição.
Conheça os recursos terapêuticos na equoterapia (Foto: Divulgação)

São muitos os recursos terapêuticos da equoterapia. Isso porque ela utiliza o cavalo numa abordagem interdisciplinar, multidisciplinar e transdisciplinar nas áreas da educação, saúde e equitação, buscando melhorias biopsicossociais.

Mesmo sabendo que muitas vezes na intervenção terapêutica a equoterapia é realizada em montaria no dorso do cavalo com equipamentos equoterápicos, de equitação ou adaptados, é necessário o equoterapeuta repensar a sua prática para o alcance dos objetivos.

Normalmente, os equoterapeutas tendem a prescrever os objetivos do prognóstico de tratamento na equoterapia em sua área específica e de formação, porém nesta intervenção terapêutica, precisamos olhar o praticante como um ser global e sempre agregar e adaptar atividades buscando o desenvolvimento biopsicossocial. 

Quando enfoco, olhar o praticante como ser global e não só por partes, só motor, só emocional, só comportamental ou só cognitivo, ressalto que ninguém é dividido por partes. Existem sim objetivos mais direcionados às queixas das famílias e os mais evidentes na necessidade terapêutica, porém precisamos construir uma conduta ampla e diferenciada.

Os quadros diagnósticos paliativos e de manutenção também poderão ser reestruturados e inovados nas nossas práticas de atendimentos com recursos terapêuticos que auxiliem no processo de evolução respeitando os objetivos traçados no prognóstico. Às vezes o equoterapeuta também precisa sair da zona de conforto e buscar alçar vôos mais altos, porque é uma pessoa com deficiência e uma família com uma esperança no trabalho executado. Se o praticante tem indicação do médico e da equipe multidisciplinar precisamos procurar alternativas e tentativas para a evolução.

Esses materiais também podem ser adaptados e reorganizados de acordo com a necessidade do centro de equoterapia, inclusive construído por sucatas e até mesmo em oficinas com as famílias através de atividades de fortalecimento de vínculo e convivência de projetos da proteção social básica.

Materiais como garrafas pet, barbantes, lixas, texturas, tintas, gliter, espumas, lã, tampas, botões e coloridos, podem ampliar o contexto de atividades na equoterapia, porém sempre respeitando o cavalo como eixo norteador da equoterapia. O cavalo é um mediador na equoterapia, através deste amigo conseguimos alcançar muitos objetivos importantes na habilitação e reabilitação das pessoas com deficiência.

Algumas dicas de materiais, cuidados e intervenções:

1 – Construção de materiais sensoriais com garrafas pet para estimulações visuais, auditivas, táteis, gustativas e olfativas. Materiais que podem ser pendurados no picadeiro visando objetivos como coordenação motora, lateralidade, coordenação visomotora, noção temporal, noção espacial, memória, força muscular, atenção, concentração, cognição, estimulações sensoriais, equilíbrio, entre outras;

2 – Equoterapia não é só montaria: atividades de cuidados e alimentação com os cavalos, que auxiliam na produção de hormônios importantes para a estabilidade de humor, diminuição da ansiedade, entre outros cunhos comportamentais e emocionais; nomeação de cavalos, materiais, exercícios motores, organizações, estimulações sensoriais, aprendizagens cognitivas, relação de vínculo com o animal, autoconfiança, autoestima, afetividade,  entre outros;

3 – Bambolês, argolas, bolas, macarrões, cones, brinquedos: são importantes para o desenvolvimento motor, intelectual, cognitivo, coordenação motora, postura, fortalecimento muscular, alongamento muscular, entre outros;

4 – Jogos integrativos: regras, organização, noção temporal, noção espacial, controle da ansiedade, respeito mútuo, coordenação motora, atenção, compreensão, raciocínio, concentração, respiração, equilíbrio, etc;

5 – Antes de realizar algum tipo de atividade com brinquedos e materiais como jogos, exercícios, sempre realizar a dessensibilização do cavalo com a equipe responsável, nunca diretamente com o praticante, pois nem sempre todos os cavalos aceitam a atividade ou brinquedo no primeiro momento, faz-se necessária a apresentação do objeto ao animal, respeitando a forma de visão  binocular do cavalo (visão direta para a frente – 70 graus como a visão do humano) e monocular (visão lateral -215 graus de cada lado – enxerga uma pessoa atrás dele até a altura da anca sem virar a cabeça), ponto cego – entre os olhos e atrás da garupa, a historicidade, sensibilidade a barulhos, movimentos e objetos, conhecimento comportamental, temperamento e social do mesmo;

6 – O cavalo é uma presa no mundo animal, sendo assim tem um amplo campo de visão para fugir do perigo e quando se sente em perigo tende a sair imediamente do local, portanto precisa ser respeitado em seus anseios e principalmente trabalhado para a aceitação de objetos, barulhos, movimentos globais e movimentos em seu dorso;

7 – O cavalo reconhece de longe as pessoas pelo cheiro, voz e enxerga melhor no escuro. E precisa ser trabalhado e treinado sempre no lado direito e esquerdo para correção dos defeitos de simetria e equilíbrio dinâmico; Culturalmente sempre foi trabalhado do lado esquerdo o aperto do arreio e montaria condicionando os animais a essa prática e dificuldade de aceitação do lado direito nesse remanejamento;

8 – Respeitando o cavalo em seu contexto e reformulando sua prática na equoterapia em prol do praticante sempre discutindo possibilidades novas de evoluções , planejamentos e organizações, além de desenvolver a ética de um trabalho de qualidade, buscamos a melhora na habilitação e reabilitação da pessoa com deficiência.

Colaboração da equipe de equoterapia da Hípica Santa Terezinha.

Portal Acesse
SHARE
Previous articleCT Paralímpico receberá mais de 200 eventos em 2020
Próximo artigoPicPay promove ação em prol da AACD
Eliane Cristina Baatsch é pedagoga e psicopedagoga, especializada em deficiência múltipla. Atua como equoterapeuta, coordenadora da Hípica Santa Terezinha, instrutora de equitação clássica, equitação para equoterapia e de volteio terapêutico, e também como presidente do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Carapicuíba (CMPD).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.