As contraindicações na equoterapia

Descrição da imagem #PraCegoVer: Dois profissionais de equoterapia estão no setting terapêutico conduzindo um cavalo branco. Fim da descrição.
Conheça os diagnósticos que podem apresentar contraindicações para a prática da equoterapia (Foto: Divulgação)

Digo e repito milhares de vezes…se o risco é maior que o benefício, não é equoterapia!

Os centros de equoterapia recebem cotidianamente diversas famílias e praticantes buscando a equoterapia como intervenção terapêutica, mas a equoterapia também tem restrições para a sua efetivação.

Equoterapia é uma intervenção terapêutica através ou não da montaria no cavalo, buscando evoluções na cognição, motora, comportamental e emocional.

A pessoa com deficiência passa pelo médico que avalia o seu estado de saúde, indicando, encaminhando ou não para a equoterapia, porém a elegibilidade do serviço só acontece depois de uma triagem com a equipe multidisciplinar, aonde após a avaliação traçará o prognóstico e conduta terapêutica.

Muitas vezes os centros de equoterapia passam pelo impasse de indicação do médico em relação ao estado de saúde para a intervenção terapêutica e a contraindicação pela equipe multidisciplinar por apresentar um quadro motor de deformidade, comportamental de agressividade, entre outras comorbidades específicas. E quando isso acontece, a família se respalda na documentação do médico, contudo o médico também não pode ser responsabilizado por atendimento do terceiro setor ao qual não seja sua especialidade de atuação e isso a família precisa entender.

A equoterapia é um tratamento com resultados bons referente a pessoa com deficiência e isso tem despertado cada vez mais o interesse e procura pelo atendimento equoterápico. Algumas literaturas e estudos tem aprofundado a metodologia de intervenção terapêutica com os seus alcances mais especificados.

Quando há uma recusa pela equipe multidisciplinar ao não atendimento da pessoa com deficiência, uma vez encontrada uma contraindicação para a conduta terapêutica, têm famílias que agem na defensiva, como se a equipe estivesse com preconceito ou em desacordo técnico com o médico. Isso não é verdade! Quando uma equipe multidisciplinar não indica o tratamento naquele momento após avaliação para determinado praticante, é por respeito, ética, cuidado e responsabilidade, afinal nesse caso a equoterapia pode proporcionar um aumento de deformidade, quadro álgico, risco a segurança do praticante e aumento de risco de vida.

É muito difícil para os equoterapeutas falarem não! Ninguém quer falar não! Mas, o não às vezes é necessário para preservarmos a ética! Porque, quando uma família ou pessoa com deficiência procura um centro de equoterapia, também busca a evolução, melhorias, além de trazerem consigo expectativas. Entretanto, a ética e a prioridade da vida humana, precisam serem levadas em conta, uma vez que de forma alguma podemos prejudicar alguém e também não podemos deixar a pessoa com deficiência ser prejudicada devido a um desacordo da família ou mesmo a pessoa não ter a compreensão técnica sobre a piora do seu quadro clínico, só por desejo embutido de montar num cavalo com uma contraindicação.

Quando a busca pela equoterapia, vem através de atendimentos públicos do terceiro setor, através de parcerias, convênios e prestação de serviços ao governo, às vezes os centros de equoterapia encontram maiores dificuldades com a recusa dos quadros de contraindicação, uma vez que famílias se encontram mais resistentes e pressionando o poder público na aquisição de seus direitos.

Vale a pena ressaltar a importância do poder público e do centro de equoterapia estarem em parceria, para a melhora e qualidade dos atendimentos equoterápicos.

A equoterapia não proporciona a cura da pessoa com deficiência, como também o médico não vai conseguir realizar a cura, porém com a parceria médica e equoterapêutica é possível evoluções para o quadro clínico do praticante.

Nesse caso o não para a equorerapia, é uma situação ao qual se torna importante para a preservação do quadro clínico da pessoa com deficiência. Sabemos que é muito difícil a recusa na equoterapia para a família, por questões de luto, pela expectativa de habilitação e reabilitação, mas não podemos nunca piorar o quadro clínico de uma pessoa com deficiência e colocá-la em risco de forma nenhuma.

Ah, mas é só montar no cavalo! Equoterapia não é só montar no cavalo, é um contexto de riscos, benefícios e dependendo do quadro clínico grave, pode não apresentar os resultados esperados pela família, pois deformidades são corrigidas apenas por cirurgias.

O equoterapeuta é um profissional especialista da equoterapia, conhece o animal que trabalha, o contexto equoterápico, o setting terapêutico, os riscos, os benefícios e contudo as condições clínicas da pessoa com deficiência para a prática ou não da equoterapia.

No caso de contraindicação na equoterapia, procure uma intervenção terapêutica ao qual possa oferecer evoluções sem risco a saúde da pessoa com deficiência.

Confira algumas contraindicações para a equoterapia:

1. Instabilidade atlanto-axial, no caso de alteração para as pessoas com síndrome de down;

2. Deformidade de quadril (luxação, entre outros);

3. Deformidade de coluna; ( também – escoliose acima de trinta graus);

4. Traqueostomia;

5. Gastrostomia sem bóton;

6. Quadro alérgico apresentado nas sessões de equoterapia;

7. Osteoporose, osteopenia;

8. Mielomeningocele (não é recomendado por alguns médicos);

9. Esclerose múltipla ou amiotrófica (não é recomendado por alguns médicos);

10. Agressividade sem controle;

11. Quadro convulsivo sem controle;

12. Pressão alta;

13. Quadro álgico;

14. Artrose;

15. Artrite;

16. Obesidade por questões de segurança;

17. Cardiopatia;

18. Fraturas;

19. Espondilolistese;

20. Distrofia muscular, entre outros.

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.