A parceria entre família e equoterapia para o sucesso nos atendimentos

Confira as dicas para as famílias e praticantes durante as sessões de equoterapia no setting terapêutico.

Descrição da imagem #PraCegoVer. Uma menina está montada em um cavalo, durante a sessão de equoterapia. Ela está acompanhada da equoterapeuta e está fazendo um movimento com os braços para cima. A menina é negra e está usando uma camiseta branca com desenhos coloridos e um shorts cor de rosa. A equoterapeuta é morena e está olhando para a menina. Elas estão no setting terapêutico. Fim da descrição.
Confira as dicas da especialista para as famílias dos praticantes de equoterapia (Foto: Divulgação)

A equoterapia é uma intervenção diferente, ao qual a pessoa com deficiência tem um amigo muito especial e importante no processo de habilitação e reabilitação terapêutica: o cavalo! A família normalmente fica feliz e quer acompanhar de perto esse processo, mas com a ansiedade às vezes pode prejudicar em alguns momentos o processo de intervenção terapêutica, pois existem questões técnicas pertinentes ao qual uma interrupção da sessão terapêutica deixam objetivos vulneráveis naquele momento importante para o processo traçado.

Cavalo não é robô, ele tem seus anseios e medos pois é um animal que, no seu meio ambiente, é uma presa. Portanto, está sempre atento aos barulhos e movimentos bruscos. Mesmo um cavalo dessensibilizado apresentará alterações de comportamento decorrente do que acontece no meio ambiente. Respeito ao animal no seu ambiente é imprescindível para a prevenção de qualquer inadequação de comportamento animal e alteração da sessão de equoterapia.

Nem sempre quando o cavalo tem um comportamento diferente está estressado. Pode ser uma comunicação de algo que ele não gostou, mudou de posição para observar alguma situação diferente, ou até mesmo, quando um praticante vem com a cenoura numa sacola plástica balançando e o animal já percebeu o petisco que vai ganhar, assim sendo, mesmo sem nenhuma intenção, a sessão de equoterapia do praticante anterior recebeu uma interferência de fora, exterior.

Equoterapia também não é passeio a cavalo, aonde é um lazer sem objetivos a não ser de diversão e sim uma intervenção terapêutica, com objetivos traçados para alcançar, com todo um prognóstico de profissionais especialistas para o desenvolvimento global da pessoa com deficiência.

Quando ocorre a interferência da sessão de equoterapia por alguma situação atípica para um praticante com quadro motor, aonde o passo cadenciado do animal é importante para uma adequação de tônus muscular pode prejudicar naquele momento a sessão.

Para os quadros cognitivos e comportamentais que necessitam de atenção, concentração, interação, o barulho externo e situações atípicas interferem diretamente nos objetivos traçados naquele momento da sessão de equoterapia.

A equoterapia é mais do que uma montaria no cavalo, é uma especialidade que requer muita responsabilidade, estudo e técnica, contudo interferências exteriores podem afetar propostas, objetivos e organizações do prognóstico pertinentes na habilitação e reabilitação do praticante, afinal todos, praticantes e famílias tem por meio da equoterapia uma esperança no processo de desenvolvimento global da pessoa com deficiência.

Confira nossas dicas para as famílias e praticantes durante as sessões de equoterapia no setting terapêutico:

1. Manter-se em silêncio, respeitando o setting terapêutico antes e depois da sessão de equoterapia para que o cavalo não altere o comportamento na sessão de equoterapia e nem o praticante perca o seu momento importante;

2. Respeite as orientações da equipe de profissionais sobre todo o processo terapêutico;

3. Não realize a interferência nas sessões da equoterapia do seu ente e nem dos outros praticantes;

4. Evite chegar com movimentos bruscos, correndo, batendo o pé, buzinando o carro, sons altos, bater portas ou com conversas altas;

5. Não traga outros animais e se trouxer não se direcione com eles próximo ao picadeiro aonde estão sendo realizadas as sessões de equoterapia;

6. Direcione o seu ente no picadeiro aonde acontecem as sessões de equoterapia apenas no seu horário, principalmente para os quadros comportamentais não prejudicando os atendimentos anteriores;

7. Cuidado com o guarda-chuva nos dias úmidos, chegar de repente com o objeto, abri-lo ou fecha-lo também pode assustar o cavalo;

8. Lembrar-se o tempo todo que o cavalo é uma animal e o não respeito à ele pode alterar o comportamento deste, deixando o praticante vulnerável;

9. Não cobre o praticante nas suas dificuldades de adaptação em relação ao medo ou fadiga na montaria, pois o déficit é dele e não o seu, as dificuldades dele não é a sua;

10. Equoterapia não é só montaria! Existe todo um procedimento técnico ao qual a equoterapia  no solo é importante, seja por cunho emocional, comportamental, motor ou sensorial;

11. Quando houver dúvidas sobre o tratamento, metodologia ou animal utilizado, pergunte ao profissional do atendimento para o conhecimento da abordagem técnica e os objetivos;

12. Evite tirar fotos, filmar e acenar durante os atendimentos, pois quando a família faz isso durante uma sessão com outros atendimentos, além de usar a imagem de outro praticante que a família não autoriza, interrompe a sessão dos outros praticantes. Sempre siga a orientação dos profissionais;

13. Compreenda que a organização é fundamental para o bom funcionamento do centro de equoterapia e principalmente para o alcance dos objetivos da habilitação e reabilitação de todos.

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.