A rotina de um equoterapeuta

Saiba mais sobre a rotina desses profissionais, que se dedicam ao atendimento de pessoas com deficiência.

0
986
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na vertical. Equoterapeuta posa com paciente ao lado do cavalo. Elas estão sorrindo. Fim da descrição.
Equoterapeuta chega a andar mais de 10 quilômetros por dia (Foto: Divulgação)

Quando você olha um equoterapeuta, não imagina como é de fato o seu dia a dia, afinal ao olhar um profissional dessa área atuando com sorriso no rosto, não é possível quantificar seus obstáculos diários.

Frio, chuva, sol, calor, dor, cansaço, inquietude, alteração de comportamento do cavalo e expectativas da pessoa com deficiência e da família, são situações corriqueiras que este profissional passa diariamente.

Orientações, paciência, foco, coragem e determinação são algumas características do equoterapeuta.

Primeiro porque além de precisar andar quilômetros de distância acompanhando o ritmo do passo do cavalo, é um profissional que tem uma responsabilidade técnica grandiosa para associar o trabalho técnico de muito estudo com a pessoa com deficiência e toda a proporção do ganho efetivo com a biomecânica, movimento cinésioterapêutico e o contexto global de conduta do cavalo.

A equoterapia é linda! Você observa a interação do cavalo com a pessoa com deficiência e no decorrer das sessões, do tratamento e dos avanços mediante a cada prognóstico diferenciado da patologia do praticante, porém é uma intervenção não convencional quanto à responsabilidade da atuação do profissional da área.

 

Você sabia que o equoterapeuta chega a andar mais de 10 quilômetros por dia?

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato quadrado. A Equoterapeuta Eliane Baatsch durante atendimento. Ela está no dorso do cavalo, segurando uma criança, durante sessão de equoterapia. Fim da descrição.
Eliane Baatsch durante atendimento (Foto: Divulgação)

Além da responsabilidade técnica de atuação da pessoa com deficiência e um animal de grande porte, como o cavalo, um equoterapeuta precisa ter bom condicionamento físico e a saúde compatível para a atividade profissional. Resumindo, não há dor, doença, desconforto no corpo, uma noite mal dormida, um estado emocional abalado que o faça desistir de garantir uma sessão de equoterapia com segurança, qualidade e técnica de intervenção terapêutica para o seu praticante.

Nem sempre o equoterapeuta é compreendido pela família em sua conduta! O cavalo é um ser vivo que também apresenta seus comportamentos instintivos e esse profissional é competente para saber o que pode e não pode fazer e o tempo certo para todas as intervenções. Além do conhecimento da patologia, do prognóstico e dos objetivos a alcançar.

Respeite o trabalho do profissional de equoterapia e suas orientações!

 

Conheça algumas condutas técnicas importantes do equoterapeuta, que nem sempre é reconhecido pelo trabalho que desenvolve:

. O cavalo é um ser vivo. Por isso, tem animais que aceitam objetos e recursos terapêuticos, outros não! O equoterapeuta precisa respeitar o cavalo e seus anseios para uma terapia com segurança. O cavalo já é uma terapia por si só, uma estimulação sensorial e de propriocepção incrível. Nem sempre o excesso de exercícios em seu dorso é o objetivo principal. Para adequação de tônus muscular, por exemplo, uma andadura de um cavalo escolhida adequadamente e com uma boa cadência já é um ganho enorme;

. Um minuto a mais para ajuste de um equipamento faz a diferença na segurança da pessoa com deficiência. De uma terapia a outra, devido ao movimento do cavalo, o equipamento pode soltar ou necessitar de ajustes importantes;

. Cada pessoa com deficiência tem o seu quadro diagnóstico único e para isso se faz necessário o equipamento adequado e a troca de cavalo;

. Se o profissional de equoterapia trocou o cavalo naquela sessão, não foi pelo simples fato de não ter um planejamento, e sim porque está fazendo uma avaliação de conduta técnica para a melhora do prognóstico, ou pode acontecer também que o cavalo naquele dia de sessão não estava bem de saúde, ou até mesmo se encontrava agitado;

. Equoterapia não é só montaria! As famílias precisam compreender que o cavalo também estabelece empatias, relações e o contato de outra forma com o cavalo além da montaria, também é importante para o desenvolvimento do prognóstico da pessoa com deficiência. Às vezes o equoterapeuta se planeja numa sessão ao qual o cuidado do cavalo auxiliará no aspecto emocional do praticante e não realiza a montaria e no final escuta: não teve equoterapia hoje;

. O equoterapeuta precisa estar o tempo todo envolvido de atenção para que não ocorra nenhum incidente ou acidente que assuste o cavalo. Portanto, sigam fielmente as orientações da equipe de equoterapia. Barulhos, sons e movimentos além de atrapalhar a sessão de equoterapia, podem causar acidentes e incidentes desnecessários. É importante respeitar o atendimento anterior e posterior também o da pessoa que será atendida no centro de equoterapia;

. Os equoterapeuta, muitas vezes, são super-heróis pois, além de estarem atentos nas sessões de equoterapia, em relação à conduta técnica para o avanço do praticante, também se encontram atentos para uma suposta retirada de emergência e apoio para a pessoa com deficiência. Cavalo é um animal que pode assustar com sons, movimentos atípicos e barulhos, não faz isso por ser maldoso, mas porque é uma presa no mundo animal sempre pronto a fugir dos predadores;

. Sempre o equoterapeuta estará realizando para a família orientações referentes às sessões de equoterapia. Respeite! Segurança em primeiro lugar.

. Algumas famílias acham que no dorso do cavalo pode se fazer milhares atividades pedagógicas, exercícios fisioterapêuticos, concordo e discordo. O equoterapeuta é o melhor profissional e especialista para direcionar as condutas da intervenção terapêutica. Na dúvida, solicite informação e não direcionamento de conduta;

. Equoterapia não é para sempre e nem milagre. As outras intervenções terapêuticas também são importantes para o avanço da pessoa com deficiência. Cabe às famílias e às pessoas com deficiência compreenderem a orientação do equoterapeuta sobre a necessidade ou não da continuidade da intervenção terapêutica, pois não adianta ser uma equoterapia só paliativa, podendo até mesmo alcançar outros objetivos em tipos de intervenções diferentes;

. Reconheça o trabalho do equoterapeuta. Antes de criticar, se informe sobre a intervenção que está sendo realizada.

 

Turma da Mônica apresenta personagem com doença rara

Síndrome de Down não é doença

Gerente senta no chão para atender homem com deficiência e foto viraliza

 

 

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.