7 perguntas e uma resposta: progressão ou retenção no ano escolar?

0
5903
Descrição da imagem #PraCegoVer: A imagem está no formato retangular, na horizontal. Quatro crianças estão em uma sala de aula, sentadas lado a lado. Elas estão escrevendo. Fim da descrição.
Retenção ou progressão escolar é uma difícil decisão para o educador (Foto: Divulgação)

Por: Zilanda Souza*

Optar pela progressão ou retenção no ano escolar é uma decisão difícil tanto para o professor, quanto para a família. Mas ao aproximarmos do final do ano letivo, a reflexão e a atitude tornam-se necessárias. Quero abordar esse assunto sob dois aspectos: primeiro, vamos tratar do aluno com desenvolvimento cognitivo dentro do esperado para a sua idade, mas que não apresentou durante o ano desempenho satisfatório para progressão.

Avançar ou reter é um questionamento que deve ser respondido através de análise de dados específicos. Sugiro que uma equipe pedagógica juntamente com os professores e os pais do aluno, reúnam-se em conselho, para responderem juntos algumas perguntas.

 

Acredito que, ao final das perguntas, todos terão a resposta:  

  1. O que o aluno aprendeu? Quais habilidades desenvolveu? Em que campo do conhecimento ele se destacou? Procurem listar todas essas habilidades, ouvir todos os professores. Não estamos falando de memorização de informações. O critério para a progressão não deve ser o acúmulo de informações e sim o desenvolvimento de habilidades. Evitem menosprezar habilidades em detrimento de outras. Por exemplo, o aluno pode ser um excelente argumentador, interpretador de textos e não ser tão bom em cálculos e aplicação de fórmulas. Nenhum conhecimento é superior ao outro. Procurem tratar todos os campos de conhecimento com igual importância. Em um deles, pode residir o talento do aluno e isso sim deve ter maior peso na decisão do conselho;

 

  1. O que o aluno não aprendeu? Informações, conceitos ou habilidades específicas? Que habilidades são essas? É preciso refletir sobre quais as possibilidades reais desse aluno desenvolver essa habilidade no ano seguinte;

 

  1. Qual o grau de importância das habilidades não consolidadas? São habilidades para a vida diária? Trata-se de pré-requisito para a aquisição de novas habilidades? E uma habilidade restrita a provas classificatórias como ENEM e vestibulares?

 

  1. Porque o aluno não aprendeu? Circunstâncias interferiram (doenças, internações)? Aspectos comportamentais dificultaram o processo de ensinagem (faltas sem motivo, não cumprimento de tarefas, indisciplina)?

 

  1. Como a escola reagiu a essas circunstâncias e aos aspectos comportamentais que podem ter interferido no processo de aprendizagem? Que medidas foram tomadas? A família tomou conhecimento?

 

  1. Como a família reagiu a sinalização da escola? Que medidas foram tomadas?

 

  1. Como o aluno respondeu a interferência da escola e da família em sua conduta? Que alterações foram identificadas?

 

Tratando de alunos com desenvolvimento atípico, que apresentam transtornos que comprometem o processo de aprendizagem, eu incluiria outras perguntas para o conselho:

  • Que medidas foram tomadas para a inclusão do aluno dentro do espaço escolar?
  • Como o aluno reagiu a essas medidas?
  • Como se deu durante o ano, a participação da família no processo de inclusão? Tratamentos e terapias foram realizados de acordo com as orientações médicas?
  • As orientações dos relatórios e laudos prescritos pela equipe multidisciplinar foram atendidas?
  • Reter esse aluno, garante a ele o acesso a todos os procedimentos que não foram realizados nesse ano?
  • Reter o aluno, vai proporcionar maior tempo de estimulação e intervenção em habilidades básicas não consolidadas?

 

Alunos que apresentam Plano de Desenvolvimento Individual, devem ter suas habilidades checadas dentro do seu próprio currículo. Avançar para o ano seguinte é assumir a responsabilidade de que o aluno está apto para os próximos desafios, enquanto que reter um aluno no mesmo ano escolar, é considerar segundo Lev Vygotsky, seu desenvolvimento real e ter clareza de que, repetir processos de ensino constitui a ‘zona do próximo desenvolvimento’ apropriada para o nível cognitivo e socioemocional em que aluno se encontra. Retenção não pode ser punição. E preciso garantir que tal atitude não vai causar prejuízos ao desenvolvimento do aluno. Tudo isso vai muito além de computar pontos em provas. E preciso uma análise profissional, ampla e ética, onde o desenvolvimento do aluno tenha a maior importância.

 

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato quadrado. Nela, Zilanda Souza está sentada à frente de uma mesa, e segura alguns de seus livros: Brincando de Palavrear e o livro do programa de treino em funções executivas Super 6º Ano. Fim da descrição.
Foto: Vítor Beltrame

*Zilanda Souza é mãe, professora, especialista em psicopedagogia e neuropsicopedagogia. Autora do livro ‘Brincando de Palavrear’, coordenadora da pós-graduação em neurociência aplicada a avaliação e intervenção psicopedagógica e doutoranda em saúde coletiva. Diretora da Espaço Vida em Minas Gerais e no Distrito Federal. Atua em pesquisa voltada para a intervenção em funções executivas em crianças do ensino fundamental anos finais.

 

Outras notícias sobre Educação

. A importância da avaliação ecológica na investigação de transtornos

. O plano de desenvolvimento escolar das crianças com autismo

. Como melhorar o desempenho de alunos com dislexia

 

 

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.