Saiba como melhorar o desenvolvimento de crianças com dislexia

0
2755
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na horizontal. Vários cubos em madeira, com letras estampadas, estão sobre uma mesa. Fim da descrição.
Especialista dá dicas para melhorar o desempenho de crianças com dislexia (Foto: Pixabay)

A dislexia é um transtorno de aprendizagem, que afeta especialmente a linguagem, que por sua vez, é uma função preditora para o êxito no processo de alfabetização. Vocabulário, memória, consciência e memória fonológica são habilidades comumente prejudicadas. Neste artigo, saiba como melhorar o desenvolvimento de crianças com dislexia!

 

Entenda a dislexia

O transtorno compromete a leitura e a escrita da criança. Os déficits encontrados na memória, estendem-se à competência aritmética, na habilidade básica de processamento numérico. Estudos vêm apresentando dados substanciais indicando comprometimento motor em crianças disléxicas.

O diagnóstico demanda de avaliação do desenvolvimento infantil, deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar: neuropediatra, fonoaudiólogo, psicopedagogo e psicomotricista.

Na dúvida em relação a capacidade intelectual da criança, o psicólogo é o profissional indicado para verificação dessa capacidade.

É um processo dolorido, difícil. Mas, está longe de ser o fim. Conhecer o desafio que está adiante é o melhor caminho para enfrentá-lo. A criança com dislexia precisa de apoio e inclusão escolar. Também vai precisar ser acompanhada pela equipe que conduziu o diagnóstico. Porém, isso não é tudo. O lugar mais confortável e acolhedor para lidar com as dificuldades é a nossa casa. Portanto, inserir a família no programa de intervenção da criança com dislexia é fundamental.

Confira algumas orientações de conduta que podem ser adotadas no ambiente familiar de crianças disléxicas.

 

Intervenção na memória e planejamento: use figuras, cartazes para ajudar seu filho a seguir a rotina diária. Use codificação colorida para que ele possa fazer relação da atividade com cores específicas. Exemplo: atividades de casa, em vermelho; atividades esportivas em azul; atividades da escola em verde. Coloque dois relógios à disposição: o analógico e o digital. O digital, compensa dificuldades encontradas no analógico. Porém, o analógico é a possibilidade de estímulos e associações entre os dados encontrados nos dois relógios. Você poderá propor desafios, investigações e comparações;

 

Ambiente de estudos: providencie um local tranquilo, com iluminação adequada e com materiais restritos a atividades escolares. Evite os distratores. Estabeleça as regras de uso desse ambiente;

 

Lição de casa: não faça o dever para o seu filho. Não dê respostas. Conheça o plano de intervenção da escola e procure caminhar de forma coerente com ele. Crianças com dislexia podem usar calculadora, tabelas de transposição fonografêmica. Permita que a criança utilize os recursos de intervenção e compensação. Porém, não abandone os estímulos. Ajude na leitura, mas também estabeleça a meta de leitura diária da criança. Essa meta pode ser orientada pela psicopedagoga do seu filho;

 

Leitura de livros: escolas adotam livros literários e isso é fundamental para o desenvolvimento das crianças. Porém o plano de leitura da criança disléxica deve ser construído com cuidados. O volume de leitura por dia, a compensação (quando o adulto deve ler para a criança), os registros, a compreensão do vocabulário e a conversa informal sobre o livro que está sendo lido, devem compor esse plano. Crianças disléxicas podem precisar de tempo maior para realizar trabalhos literários. Converse com a escola e a psicopedagoga do seu filho;

 

Escrita: cuidado com o excesso de reescrita. Embora a escrita apresente comprometimento, ela é sintoma superficial de alterações mais profundas na linguagem e na leitura. Reescrever duas, três vezes, cansa, desestimula e retira o engajamento da criança para com a atividade. Oportunize acesso de consulta para verificação da escrita correta. Evite dizer onde está o erro na palavra, mas sinalize que ela deve ser investigada;

 

Comportamento: evite rotular o erro ou a lentidão do seu filho. Ele não é uma tartaruga, ele não é preguiçoso. Atividades de leitura, escrita e raciocínio para crianças disléxicas demandam mais energia do que em crianças com desenvolvimento típico. Para elas, essas atividades são desgastantes e cansativas. Recompense o esforço do seu filho e estabeleça novas metas. Equilibre compensação e estímulo. Alterne as atividades complexas com momentos prazerosos, como pausa para um lanche, 15 minutos de videogame.

 

Por fim, entenda que a dislexia não define o futuro do seu filho. Ela altera a rota, mas não impede que nossas crianças alcancem seus objetivos. Conhecimento e enfrentamento são fundamentais para a reduzir sofrimento e alcançar o desenvolvimento. Seu filho precisa de especialistas, mas sobretudo, ele precisa de você!

 

 

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato quadrado. Nela, Zilanda Souza está sentada à frente de uma mesa, e segura alguns de seus livros: Brincando de Palavrear e o livro do programa de treino em funções executivas Super 6º Ano. Fim da descrição.
Foto: Vítor Beltrame

*Zilanda Souza é mãe, professora, especialista em psicopedagogia e neuropsicopedagogia. Autora do livro ‘Brincando de Palavrear’, coordenadora da pós-graduação em neurociência aplicada a avaliação e intervenção psicopedagógica e doutoranda em saúde coletiva. Diretora da Espaço Vida em Minas Gerais e no Distrito Federal. Atua em pesquisa voltada para a intervenção em funções executivas em crianças do ensino fundamental anos finais.

 

Outras notícias sobre Educação

. Sala de aula invertida

. O Jogo dos Sons na Educação Infantil

. Estimulação de consciência fonológica

 

 

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.