Intervenções domésticas ajudam a potencializar a aprendizagem

0
1922
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na horizontal. Um ambiente doméstico. Pai e filho estão lado a lado assistindo algo em um tablet. Eles estão vestidos com camiseta listrada, em tons predominantes de azul. Fim da descrição.
Especialista dá dicas para potencializar as atividades em casa (Foto: Divulgação)

Por: Zilanda Souza*

Hoje vamos falar de um ambiente poderoso e estimulador na vida das nossas crianças: a casa! A conduta dos pais, a organização dos ambientes e das atividades, ajudam no estímulo e a potencializar a aprendizagem.

Eu vou um pouco mais longe. A conexão assertiva entre professores, terapeutas da aprendizagem, médicos e a família, protegem a criança, do que o psiquiatra e pesquisador Norman Doidge chamou de ‘Paradoxo Plástico’: as mesmas propriedades neuroplásticas que nos permitem mudar nosso cérebro e produzir novas aprendizagens, também nos permitem produzir rigidez e estagnação.

 

Mas, como potencializar a aprendizagem?

Vou dar um exemplo: imagine uma criança sendo acompanhada por um psicopedagogo, duas vezes por semana, sendo estimulada para a autonomia. Na sessão, ela é incentivada a ter iniciativas, pensar nas consequências, fazer alterações necessárias, guardar os brinquedos que utiliza e arrumar a mochila.

Em casa, os pais e cuidadores oferecem água, sem que ela tenha manifestado sede, oferecem comida na boca e também amarram o cadarço do tênis. Ao menor sinal de choro, os pais atendem imediatamente, certos de saber o que incomoda o filho, sem que ele elabore uma frase.

Duas vezes por semana de estímulos para autonomia, com duas horas de duração, são massacrados por sete dias, 168 horas de estímulos para a dependência. Eis aí um paradoxo plástico.

 

Educação com limites

Confira a seguir algumas sugestões para apoiar seus filhos e seguir os estímulos prescritos pela equipe especializada.

1) Conheça o Plano de Intervenção dos profissionais. Procure entender quais são os objetivos do trabalho deles;

2) Conheça o funcionamento da escola do seu filho e quais são os objetivos a serem alcançados naquele ano. Caso seu filho tenha um Plano de Desenvolvimento Individual, um currículo especial, solicite uma cópia desse plano;

3) Não tente ser o professor ou o psicopedagogo do seu filho. Procure apoiar como pais;

4) Reflita sobre os ambientes da casa e questione: eles limitam o seu filho? Dificultam o acesso, a exploração autônoma dos ambientes? Tem muitos distratores, excesso de objetos?

5) Observe os estímulos que vocês oferecem (brinquedos e atividades). Como é o dia do seu filho? Ele gasta mais tempo envolvido com qual brinquedo ou atividade? Ele tem uma agenda intensa? Tem espaço para escolher e desejar?

6) Como é o estímulo da autonomia? Vocês utilizam tempo para ensinar a manejar objetos e situações? O que seu filho consegue fazer sozinho? Ele consegue acessar seus objetos e brinquedos? Tem compreensão de que as tarefas da escola são de responsabilidade dele, e que apoiar não é o mesmo que fazer para ele?

7) Como é a maior parte do tempo com o seu filho: responde as suas solicitações e resolve seus problemas? Dá bronca e castigo por conta dos comportamentos errados? Faz perguntas, incentiva a descoberta e ensina a realizar suas tarefas? Propõe desafios e reconhece o esforço e envolvimento dele?

8) Como vocês lidam com o erro? Errar é um indicativo de coragem e motivação para acertar. Deve ser tratado como uma investigação que ainda não chegou a sua conclusão final. Diante dos erros, encoraje seu filho, errar faz parte do processo. Não dê a resposta pronta, mas pistas devem ser oferecidas, como estímulo para perseguir a resposta certa;

9) Como vocês lidam com a nota das provas? Evitem elogiar o produto final. A nota é consequência de um processo. Elogie o processo, os comportamentos que levaram a criança a um bom desempenho: estudar, persistir, se organizar, ter iniciativa, reconhecer erros. A nota não foi legal? Investigue junto com a criança quais comportamentos devem ser melhorados para que o desempenho na prova também melhore.

 

Esses são apenas alguns pontos que devem ser pensados afim de que, a família seja um apoiador efetivo no desenvolvimento da aprendizagem. Não substitui o diálogo franco e transparente com a escola, terapeutas e os médicos que o acompanham.

 

Instagram: @espacovidagvbsb | Facebook: @espacovidagv | Youtube: Canal Espaço Vida

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato quadrado. Nela, Zilanda Souza está sentada à frente de uma mesa, e segura alguns de seus livros: Brincando de Palavrear e o livro do programa de treino em funções executivas Super 6º Ano. Fim da descrição.
Foto: Vítor Beltrame

*Zilanda Souza é mãe, professora, especialista em psicopedagogia e neuropsicopedagogia. Autora do livro ‘Brincando de Palavrear’, escritora da coluna ‘Desenvolvimento e Aprendizagem’, coordenadora da pós-graduação em neurociência aplicada a avaliação e intervenção psicopedagógica. Diretora da Espaço Vida em Minas Gerais e no Distrito Federal. Atua em pesquisa voltada para a intervenção em funções executivas em crianças do ensino fundamental anos finais.

 

 

Outras notícias sobre Educação

. Atividade de flexibilidade cognitiva: em cada expressão uma operação

. Estimular habilidades: diário de aprendizagens e dificuldades

. Atividade para a sala de aula: como trabalhar com recompensas

 

 

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.