Parabadminton estreia nos Jogos Paralímpicos de Tóquio

0
2223
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na horizontal. Uma disputa de parabadminton. Na quadra estão dois jogadores com nanismo. Fim da descrição.
Parabadminton: modalidade é disputada em seis categorias (Foto: Divulgação)

Por: Adriana Dutra*

O parabadminton (badminton adaptado) foi reconhecido em 1996, pela Associação Internacional de Badminton para deficientes. Atualmente, 60 países representantes dos cinco continentes, são filiados à Federação Mundial de Badminton (BWF – Badminton World Federation), sendo um deles o Brasil que é gerido nacionalmente pela Confederação Brasileira de Badminton (CBBd).

O parabadminton é praticado por atletas com deficiência física, tanto em cadeira de rodas quanto de pé.

Foi desenvolvido com o intuito de oportunizar para pessoas com deficiência a prática do esporte com algumas adaptações. As regras do parabadminton são as mesmas do badminton convencional, sendo que as principais adaptações são feitas para nivelar os atletas de acordo com sua deficiência; o tamanho da área de jogo é menor e a rede fica mais baixa, nas categorias dos atletas que utilizam cadeira de rodas e dos atletas com comprometimento dos membros inferiores. O esporte oferece seis categorias, dentre elas, duas para pessoas que utilizam cadeiras de rodas (WH 1 e WH 2), decorrentes de lesão medular, poliomielite, mielomeningocele, paralisia cerebral, distrofia muscular e acidente vascular encefálico, entre outras; e quatro classes para pessoas com lesão nos membros inferiores (SL3 e SL4) e lesão de membros superiores (SU 5) decorrentes de amputações, paralisia cerebral e malformações, entre outras, além de baixa estatura (SS 6), decorrente de nanismo.

Cabe dizer que no Brasil foi incluída nos campeonatos nacionais a classe SI9 (Standing Intelectual Disability), direcionada aos atletas com deficiência intelectual e, que existem competições nacionais e internacionais do esporte para pessoas surdas.

É um jogo curioso e rápido, com registro de peteca atingindo 200 km por hora. O jogo tem duração máxima de três games, vencendo quem atingir 21 pontos primeiro (caso empate em 20 a 20 o jogo é prolongado até que se tenha feito dois pontos de diferença, atingindo no máximo 30 pontos).

 

Descrição da imagem #PraCegoVer: A imagem está no formato quadrado. A imagem está em preto e branco. Nela está a colunista Adriana Dutra. Adriana é morena, tem cabelos castanhos longos e lisos. Ela usa uma blusa preta e sorri. Fim da descrição.
Foto: Divulgação

*Adriana Dutra é advogada, presidente da Atitude Paradesportiva, ONG que ajudou a criar em 2010. Atua com esporte adaptado há 10 anos, incentivando a prática de atividade física, dando oportunidade de treinamento e organizando eventos para a divulgação e fomentação das modalidades adaptadas.

 

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.