TIM apoia nova tecnologia para surdos

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na horizontal. A imagem mostra o braço de uma pessoa com uma pulseira no braço direito que permite a identificação dos movimentos pelo aplicativo. Na mão esquerda, ela segura um celular com o aplicativo aberto. Fim da descrição.
Aplicativo garante a comunicação com pessoas surdas (Foto: Reprodução)

O Brasil possui atualmente 9,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva, de acordo com o último censo do IBGE (2010). Destes, mais de dois milhões apresentam perda de audição em um grau severo, situação que dificulta a acessibilidade de uma grande parcela desta população. Para ajudar a mudar essa realidade, a TIM anunciou, nesta semana, o apoio nacional ao projeto ‘Giulia – Mãos que falam’, sistema baseado em inteligência artificial idealizado pelo professor Manuel Cardoso, CEO da startup Map Innovation e doutor da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), para facilitar a comunicação entre surdos e pessoas que não sabem Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Além do usuário surdo, a iniciativa também beneficiará as empresas, pois ajudará as áreas de recursos humanos na contratação e comunicação diária com pessoas com deficiências. Os clientes corporativos da TIM terão a tecnologia a seu favor, colaborando para um ambiente de trabalho mais inclusivo, condizente com a legislação, e com mais oportunidades de desenvolvimento para os profissionais com deficiência auditiva. Com o uso da tecnologia, a comunicação entre as companhias e colaboradores, surdos e ouvintes, será melhor e mais desenvolvida.

Segundo o head de Innovation & Business Development da TIM Brasil,Janilson Bezerra, “o apoio tem como objetivo contribuir para a ampliação da acessibilidade, dando visibilidade e capilaridade nacional ao projeto Giulia, oferecendo aos clientes – especialmente empresas – uma solução inovadora para ampliar o quadro de funcionários com deficiência.

A iniciativa faz parte do programa de Open Innovation da TIM, que tem como objetivo identificar e trabalhar em parceria com empresas com interesse de negócios complementares”, destaca.

Para o criador do aplicativo, a ação permitirá uma diminuição das dificuldades encontradas pelos surdos. “Muitas das pessoas com deficiência auditiva, principalmente as que nascem surdas nos estados mais pobres, não conseguem ser alfabetizadas. Isso já as exclui do acesso à educação, o que acarreta em vários problemas. Sem educação, elas têm uma dificuldade ainda maior de ascensão social”, explica o professor Cardoso.

O ‘Giulia – Mãos que falam’ é um aplicativo baseado em inteligência artificial, que utiliza a tecnologia embarcada nos smartphones para traduzir em som o significado dos movimentos de quem está utilizando o aparelho. Por meio dele, os sinais de Libras são captados e transmitidos pela tela do celular em formato de voz e sinais realizados por um avatar, facilitando a comunicação dos surdos com as demais pessoas. A ferramenta conta ainda com diversas outras funções, como despertador, babá eletrônica, conferência, emergência, entre outras.

O nome Giulia é uma homenagem a uma jovem que teve as atividades cerebrais prejudicadas em virtude de uma bactéria adquirida ainda na maternidade. A menina morreu em 2015, aos 15 anos.

A ação faz parte de uma série de esforços da TIM no sentido da inclusão via tecnologia para a promoção da acessibilidade, como o aplicativo Emoti Sounds, que disponibiliza sons para descrever as emoções passadas nos emoticons mais utilizados nas conversas de mensagem instantânea. Além disso, a companhia está contratando profissionais com deficiência em todo o Brasil. São iniciativas que integram os funcionários em uma socialização que abre caminhos não só às pessoas com deficiências, mas a todos.

O aplicativo Giulia – Mãos que Falam já está disponível para download no Google Play.

 

Portal Acesse

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.