Orientação e mobilidade para as pessoas com deficiência visual

0
108
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na vertical. O estoque de bengalas da Laramara. Fim da descrição.
Bengala branca: referência orientação e mobilidade para pessoas cegas (Foto: Divulgação)

Por: João Álvaro de Moraes Felippe*

A orientação e a mobilidade estão presentes na vida de todos nós. A orientação é a capacidade de perceber o ambiente, saber onde estamos. A mobilidade é a capacidade de nos movimentar. A visão, normalmente, é o sentido que mais diretamente colabora para a nossa orientação e mobilidade.

 

Orientação e mobilidade

A ‘Orientação’ para a pessoa com deficiência visual é o aprendizado no uso dos sentidos para obter informações do ambiente: saber onde está, para onde quer ir e como fazer para chegar ao lugar desejado. A pessoa para se orientar pode usar a audição, o tato, a cinestesia (percepção dos seus movimentos corporais), o olfato e a visão residual, quando for o caso.

A ‘Mobilidade’ para a pessoa com deficiência visual é o aprendizado para o controle dos movimentos corporais de forma organizada, segura e eficaz. Esse processo de aprendizagem pode ocorrer de forma espontânea para algumas pessoas. Outras necessitam da intervenção específica por meio de um programa de Orientação e Mobilidade (OM).

 

Bengala branca

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na vertical. Uma menina está no corredor da Laramara. Ela tem deficiência visual e está caminhando com a ajuda de uma bengala e do piso podotátil. Fim da descrição.
Orientação e Mobilidade: recursos garantem segurança para pessoas cegas (Foto: Divulgação)

Já nos primórdios da humanidade espontaneamente algumas pessoas com deficiência visual passaram a usar alguma ‘bengala’ para se locomover: cajado, bastão, vara de bambu, galho de árvore…

No século passado foi institucionalizada a ‘bengala branca’ como um símbolo da cegueira, porém a primeira forma sistematizada e eficaz para a locomoção das pessoas cegas foi o cão-guia. O primeiro projeto bem-sucedido ocorreu na Alemanha durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1916 o doutor Gehard Stalling criou a primeira escola para treinamento de cães-guia com o objetivo de atender combatentes alemães atingidos pela cegueira.

Entretanto nem todos puderam ser beneficiados por essa forma de locomoção no mundo todo. Mais uma tragédia humana aconteceu e quase no final da Segunda Grande Guerra, os programas de reabilitação nos Estados Unidos passaram a se deparar com um enorme contingente de veteranos de guerra vítimas das mais diversas lesões. Muitos adquiriram a condição da deficiência visual e um grande desafio passou a ser a locomoção independente.

Então, em 1944, criaram-se as técnicas com a bengala longa, que resultaram em um novo conceito: Orientação e Mobilidade.

O mérito inicial foi do tenente e oftalmologista doutor Richard Hoover por sua perspicácia, estudo e liderança na modificação do comprimento da bengala e no uso das técnicas. Na sequência, muito se deve a Warren Bledsoe pelo seu ativismo na desconstrução de burocracias e na reformulação de políticas públicas nos programas de reabilitação. Por fim, e muito significativo, foi o protagonismo de Russ Williams, soldado cego que teve papel fundamental na disseminação dessas novas técnicas entre as pessoas com deficiência visual nos Estados Unidos. Foi uma simples, nova e mais democrática possibilidade que se expandiu pelo mundo.

 

Orientação e mobilidade no Brasil

A ‘Orientação e Mobilidade’ chegou ao Brasil no fim da década de 1950. Ela foi adquirindo uma fundamentação teórica bastante consistente e lastreada por estudos acadêmicos. Todavia o mais significativo foi a evidência prática confirmada pelas próprias pessoas com deficiência visual, que tiveram a oportunidade de participação integral em um programa devidamente estruturado. Mesmo assim ainda é uma área pouco conhecida e reconhecida pela sociedade.

O programa de OM envolve: o desenvolvimento dos requisitos básicos relacionados ao domínio cognitivo, psicossocial e psicomotor desde a criança na primeira infância até a pessoa idosa; o treinamento dos sentidos para identificação de pontos de referência e pistas ambientais; as habilidades básicas quanto as técnicas com a utilização do guia vidente, técnicas de autoproteção e técnicas com a bengala longa; o desenvolvimento da orientação para melhor interação física e social com os ambientes; a locomoção em áreas residenciais, áreas mistas de pequeno comércio, áreas comerciais centrais e em áreas ou ambientes específicos; as vivências especiais envolvendo inclusive a utilização dos transportes públicos coletivos e individuais. Esse programa é básico e fundamental para o melhor aproveitamento das outras formas de locomoção: a própria utilização do cão-guia e o uso de ajudas eletrônicas mais sofisticadas.

A expectativa para esse breve texto é informar um pouco mais sobre essa área de fundamental importância na educação especial, habilitação e reabilitação das pessoas com deficiência visual. A ‘Orientação e Mobilidade’ pode ajudar na conquista da autonomia e é um dos caminhos para a independência. Quanto mais pessoas conhecerem condutas e procedimentos adequados em relação a OM, mais naturalidade teremos no convívio com as pessoas cegas e com baixa visão. É desta forma que compreendemos e contribuímos para o processo de transformação e inclusão social. 

Você pode saber mais no vídeo Caminhando juntos, um especial sobre orientação e mobilidade!

 

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato quadrado. João Felippe, está sorrindo. João é um homem que tem pele morena, cabelos e barbas brancas. Ele está usando uma camisa rosa e uma malha marrom. Fim da descrição.
Foto: Divulgação

*João Álvaro de Moraes Felippe é especialista em Orientação e Mobilidade da Laramara

 

Notícias sobre Laramara

. Deficiência visual: tecnologia amplia acessibilidade no Brasil

. Educação inclusiva: quando ensinar braile para crianças cegas?

. Laramara promove inclusão por meio da educação

 

 

Referências Bibliográficas:

. Felippe, J.A.M. e Felippe, V.L.L.R. Orientação e Mobilidade São Paulo: Laramara – Associação Brasileira de Assistência à Pessoa com Deficiência Visual, 1997.

. Felippe, J.A.M. Caminhando Juntos – Manual das habilidades básicas de Orientação e Mobilidade São Paulo: Laramara – Associação Brasileira de Assistência à Pessoa com Deficiência Visual, 2001.

. MEC – Ministério da Educação e Cultura Seminário Ibero-Americano de Comunicação e Mobilidade Anais… São Paulo: Fundação para o Livro do Cego no Brasil, 1972.

. Welsh, R.L., Blash, B.B. and Wiener, W. i Alteri Foundations of Orientation and Mobility New York: American Foundation for the Blind, 2010.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here